Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
×
Dança dos Sonhos, A
×
Dança dos Sonhos, A
×
Dança dos Sonhos, A
×
Dança dos Sonhos, A
×
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
Dança dos Sonhos, A
R$ 50,00 FRETE GRÁTIS!

Adicionar ao Carrinho
Michael Jackson lançou este livro em 1992 reunindo seus melhores textos e imagens. Quase 20 anos depois, este livro chega ao Brasil pela primeira vez, trazendo a tradução inédita destes textos, para que os fãs do Rei do Pop possam ser apreciados como ele os fez. A mensagem de Michael Jackson permanece em suas letras de música, poemas, histórias, contos e depoimentos. Tradução de Thereza Christina Rocque da Motta (de "Marley & Eu" e "154 Sonetos").

ISBN 978-85-7823-086-9
R$ 50,00
160 p. ilustradas
21 X 21 cm
brochura

O PEIXE QUE SENTIA SEDE

Uma noite, um peixinho estava dormindo sob um coral, quando Deus lhe apareceu em sonhos:
– Quero que leve uma mensagem a todos os peixes do mar – disse Deus.
– E o que devo dizer a eles?
– Diga-lhes apenas que está com sede – respondeu Deus. – E observe como eles reagem.
E, sem dizer outra palavra, Ele desapareceu.
Na manhã seguinte, o peixinho acordou e lembrou-se do sonho.
“Que coisa estranha Deus quer que eu faça”, pensou. Mas, assim que viu um grande atum se aproximando, o peixinho gritou:
– Desculpe, mas eu estou com sede!
– Então, você deve ser um bobo! – o atum respondeu.
Ele agitou a cauda com desdém e se afastou.
O peixinho se sentiu, de fato, meio bobo, mas ele havia recebido uma ordem. Logo depois, viu um tubarão com dentes afiados. Mantendo a distância por segurança, o peixinho exclamou:
– Desculpe, senhor, mas eu estou com sede!
– Então, você deve ser maluco! – respondeu o tubarão.
Vendo que o tubarão o encarava com um olhar faminto, o peixinho saiu nadando rapidamente.
O dia todo encontrou bacalhaus, cavalas, peixes-espada e garoupas, mas toda vez que dava o recado, viravam as costas e não lhe davam mais atenção. Sentindo-se cada vez mais confuso, o peixinho procurou a criatura
mais sábia do oceano, uma velha baleia azul, que tinha três cicatrizes de arpão num dos costados.
– Desculpe-me, mas eu estou com sede! – berrou o peixinho, sem saber se a velha baleia o veria, de tão pequeno que ele era. Mas a sábia baleia se deteve:
– Você falou com Deus, não foi? – ela perguntou.
– Como a senhora sabe?
– Porque um dia também senti sede... – riu a velha baleia.
O peixinho se espantou.
– Por favor, me explique o que quer dizer essa mensagem de Deus! – ele lhe implorou.
– Quer dizer que procuramos por Ele nos lugares errados – explicou a velha baleia. – Procuramos por Deus em toda a parte, mas nunca O encontramos. Então, colocamos a culpa Nele e dizemos que Ele nos abandonou.
Ou, então, acreditamos que Ele se foi há muito tempo, se é que um dia Ele existiu.
– Que estranho... – disse o peixinho – não ver o que está por toda a parte.
– Muito estranho – concordou a velha baleia. – Não parecem peixes que dizem que estão com sede?